Opinião Sincera | Death Note (Netflix)

imagem retirada do Google

imagem retirada do Google

 

              Depois de muita espera foi lançado, no dia 25 de agosto de 2017, Death Note, produção da Netflix que adapta o mangá e anime de grande sucesso mundial.

              Começamos com o personagem principal, o Light Turner. Light é um estudante do ensino médio que se vê inconformado com as injustiças do mundo. Valentões cometendo bullying, criminosos que não são presos, etc. Até então bem parecido com o anime/mangá, porém sem a genialidade e calculismo do Light Yagami que conhecemos.

              Temos a introdução do Death Note, que cai do céu ao lado de Light. Aqui o filme se mostra melhor que o original, pois o livro tem um design mais sombrio. A diferença está na quantidade de regras que é maior, ampliando as possibilidades de uso.

              Ryuk finalmente aparece para Light e o incentiva a escrever o primeiro nome. É uma boa cena, mostrando bem a influência do caderno na situação que leva até a morte da vítima. Existe um grande plano sequência mostrando toda sucessão de eventos até o momento fatal. O filme não fica resumido a mortes por ataque cardíaco, já que no anime/mangá a maioria das mortes são por ataques cardíacos. Turner explora bem todas as possibilidades.

              A relação entre Light e Ryuk não é bem mostrada, com as aparições do Shinigami sendo bem pontuais e sem se envolver muito nos acontecimentos. Vale mencionar que a aparência do Ryuk é bem interessante quando ele está nas sombras. Quando mostra com mais iluminação, percebe-se que o desenho e CGI do Shinigami deixou muito a desejar, sendo salvo pela voz e interpretação de Willen Dafoe.

              Essa falta de calculismo e genialidade de Light fica nítida quando ele fica andando com o Death Note pela escola à vista de todos. É nesse descuido que Mia, uma líder de torcida, se aproxima dele e, ao puxar conversa, vê o caderno e pergunta o que é. Light, do nada e sem conhecer bem a garota, revela tudo sobre o caderno e, sem mais nem menos, os dois começam a namorar. Aqui meio que há uma inversão de personalidade, com Mia sendo mais calculista querendo dominar o mundo como uma divindade e Light mais ingênuo, sendo enganado por ela várias vezes na tentativa de matá-lo e tomar o controle do Death Note.

              L, o grande detetive internacional, é introduzido na estória para capturar Kira/Light e trazê-lo à justiça. A personagem mantém as características do original (afetado, viciado em doces e sentando estranho), mas não tão zeloso pela sua identidade. Ele continua com seu protetor Watari, que aqui é seu nome verdadeiro e não um pseudônimo.

              O embate entre L e Light deixa de ser mental e investigativo para se tornar uma perseguição direta, já que L descobre a verdadeira identidade de Kira, simplesmente porque Light não mata o pai quando ele aparece na TV desafiando-o. L confronta Turner com a descoberta e o mesmo praticamente assume que ele realmente é o Kira.

              A Netflix não é tão bem conhecida na produção de filmes como na produção de séries. Death Note não foge a essa regra. Todo o atrativo do original, o jogo psicológico entre L e Light, se perde aqui. O filme só usa como base os nomes dos personagens e toda a mitologia do caderno, mas segue por um caminho bem diferente. Além da duração curta que faz com que as coisas aconteçam de maneira atropelada, esse é apenas um filme de perseguição policial no estilo de outros filmes do gênero. O que faz com que o anime seja reassistido várias vezes é esquecido.

Ainda bem que sempre teremos o original para apreciar.