Opinião Sincera | Anon

unnamed-file.jpg
 

              “Anon” é o mais novo filme do Netflix lançado no último dia 4 de maio. O longa é um sci-fi futurístico dirigido por Andrew Niccol e tem como atores principais em seu elenco Clive Owen, Amanda Seyfried e Colm Feore.

              A trama se passa em um futuro onde a privacidade não existe e as pessoas são capazes de acessar uma grande “internet”, chamada Ether, através de seus Olhos, que os permite ver os registros visuais de praticamente todas as pessoas do mundo, dessa forma, podem ver tudo que as pessoas viram e fizeram em um determinado momento de suas vidas. Aqui Clive Owen vive o detetive Sal Frieland que trabalha ajudando a resolver furtos e assassinatos.

              O conflito do filme se instala quando ele se depara com uma sequência de assassinatos em que o culpado consegue fazer com as vítimas registrem em seus Olhos o ponto de vista do assassino antes de serem mortos, dessa forma, sendo impossível identifica-lo. Toda a investigação leva à suspeita de uma garota anônima (Amanda Seyfried) que conseguiu apagar todos os seus registros do “Ether” e ganha a vida apagando registros comprometedores de seus clientes.

              O trailer passa a impressão que se trata de um grande filme de ação e ficção científica, mas, na verdade, não é o que ele entrega, sendo um filme mais de conflito psicológico, principalmente pela possibilidade que esse universo estabelece de alterar os registros das pessoas em tempo real, criando ilusões de ótica.

              O enredo é muito superficial, tentando aprofundar os personagens, mas sem aprofundar nenhum de fato, mal se sabe os nomes deles. Essa falta de aprofundamento e explicação faz com que seja um filme vazio por não ser possível se importar muito com nenhum personagem. A impressão é que se está assistindo mais um episódio chato de “Black Mirror”.

              Para um diretor que em sua carreira tem filmes como “O Show do Truman”, este aqui é mais um ponto fora da curva, que não reflete o que Niccol pode oferecer.

              Como de costume nas produções de longa-metragem do Netflix, “Anon” não tem uma grande qualidade de roteiro como geralmente acontece nas séries originais do serviço de streaming.

              Para quem está sem saber o que fazer e muito entediado, “Anon” é um filme razoável para passar o tempo e com um projeto de plot twist para dar uma acordada.

Confira o trailer abaixo:

 
nota 2.png