Opinião Sincera | The Flash (4ª Temporada)

1_xWyaGi28awJij76iIUANgw.jpeg
 

              Chegou ao fim mais uma temporada da série de The Flash. Prometendo ser a melhor temporada da série até agora, com grandes embates com o novo antagonista, o novo ano decepciona e entrega um vilão com motivações bastante contraditórias.

[Spoilers abaixo]

              A temporada começa com o team flash tentado trazer Barry de volta da força da aceleração, onde fica como prisioneiro para substituir Savitar. Ao serem bem-sucedidos, acabam causando uma explosão de matéria escura que atinge um ônibus e transforma todos os passageiros em meta-humanos. Eis que surge DeVoe, o vilão que quer roubar os poderes desses meta para ele mesmo.

              Durante toda a primeira metade da temporada temos o início do embate entre DeVoe e Barry, que começou a investiga-lo depois que Savitar contou ao time sobre ele. É um embate muito frenético com o vilão tentando derrotar o Flash e Barry tentando descobrir a motivação do vilão para pará-lo.

              Com isso chegamos ao ápice da temporada: o julgamento do Flash. Aqui a série dá a entender que teremos o melhor vilão até então, o primeiro não velocista e que quer atacar o homem por trás da máscara e não o herói. Porém, com esse ápice vem o declínio da temporada.

              Com o fim do hiato da série, vemos o arco de Barry na prisão acabar rapidamente e de uma maneira até que preguiçosa. Nesse meio tempo, DeVoe dá continuidade ao seu plano de “colher” os poderes e corpos dos “bus-metas”, transferindo sua consciência de um corpo para o outro. Todo esse processo é bem arrastado e monótono e toda a tensão e expectativa criadas no mid season finale se perde e vai diminuindo a interesse na temporada.

              Somos finalmente apresentados à motivação do antagonista: acabar com a tecnologia do mundo e deixar as pessoas burras para que não inovem mais e usem isso para o mal. Uma motivação bem aquém do vilão que tinha sido construído no início da temporada, um que fazia seus momentos de tela serem os ápices dos episódios. A contradição aqui está no fato de ele próprio estar usando a tecnologia para o mal. Temos nessa temporada, então, o primeiro vilão não velocista, mas o mais chato de se assistir.

              Para preencher essa trama já monótona são colocados na trama dois arcos que, por não serem bem explorados, deixam a temporada mais difícil de se assistir: o “Conselho de Wells” para ajudar o Wells do team flash a resolver um problema que ele mesmo causou. Aqui poderia ser explorado de outra maneira sem essas diferentes versões do Wells das outras terras; e o fato de Caitlin ter perdido os poderes de Killer Frost, que aparenta que ter um desenrolar interessante, mas, quando chega num ápice, a cena é cortada e nada fica muito bem explicado. Espero que seja melhor abordado na próxima temporada.

              Foi muito triste ver uma temporada com tanto potencial perder seu rumo e, quem sabe, ter sido pior que a última temporada de Arrow. Aguardemos uma melhora no próximo ano da série.