Opinião Sincera | O Date Perfeito

 

Se você, assim como eu, também acompanha a Netflix no Instagram, com certeza viu várias publicações desse filme. Nos últimos tempos, vimos alguns filmes desse gênero lançados pelo streaming - o que, particularmente, acho sensacional hihi. Um ponto em comum é a presença de Noah Centineo, que já conquistou nossos corações em “Para todos os garotos que já amei” e “Sierra Burgess é uma Loser”. Nesse não seria diferente. 

No longa, Brooks (Noah Centineo) é um jovem com dois sonhos claros: estudar em Yale e ser um empreendedor de sucesso, apesar de seu pai, um escritor em decadência e professor na universidade de UCCON, ter planos diferentes para ele. Durante toda a sua trajetória no ensino médio fez de tudo para ser o candidato perfeito, porém durante a reunião com a conselheira da escola sobre sua carta de apresentação para entrar na universidade, ela mostra que ele precisa de muito mais que algumas frases de efeitos e boas notas para conseguir estudar em Yale.

[Possíveis spoilers abaixo]

Mas Brooks não está sozinho na caminhada para ser um grande empreendedor, pois tem seu melhor amigo, Murph, que trabalha com ele na “SUB” (uma rede de fast food de sanduíches e saladas). Durante mais um dia comum, o protagonista acaba escutando a conversa de um de seus colegas de classe, Reece (Zak Steiner), em que se queixa sobre ter que acompanhar sua prima ao baile da escola - com um pequeno detalhe, seus tios iriam pagar para realizar a tarefa. Ele se oferece para substituir Reece, que tinha outros planos para a noite. 

                Esse é o momento que você imagina que a prima de Reece deve ser muito anti social, ou fora do padrão, ou deve ter alguma coisa estranha com essa menina já que precisa que seu pai pague para que ela vá ao baile. Mas, na verdade, não tem nada de errado com Celia (Laura Marano). Ela é uma garota forte, cheia de personalidade e, na verdade, é bem compreensível porque ela não quer ir ao baile da escola, e não, ela não sofre bullying. Sendo sincera, a personalidade de Celia é um ponto de alívio, faz com que mesmo tendo uma história permeando baile de ensino médio, o filme não seja tão clichê.  

                E tudo isso para falar que depois da experiência levando Celia ao baile e sendo o “date perfeito”, Brooks tem a ideia de criar um aplicativo de encontros. Mas não encontros entre pessoas que dão “match”, e sim, de encontros “perfeitos”. Junto com o rei da programação e seu melhor amigo, Murph, nasce o app “The Stand-in”. A garota o contrata para acompanhá-la em uma ocasião, escolhe os gostos dele, personalidade, roupas, etc. Tudo isso para tentar juntar o dinheiro necessário para estudar em Yale.

 Em paralelo com o aplicativo, Brooks e Celia ficam cada vez mais próximos, e eles começam a se ajudar para conquistar seus crush. Brooks, desde o primeiro baile que foi, ficou afim de Shelby, uma garota rica e popular, mas, para conquistá-la, ele precisa se transformar em umas personalidades de seu aplicativo. Sendo sincera, Shelby não é uma antagonista “padrão”, apesar de não simpatizar muito, ela é uma garota que sabe o que quer. E que, bom, não combina com Brooks.  

A jornada do protagonista começa a mudar quando ele se “perde”, e as múltiplas personalidades acabam afetando sua vida. Se afastando de seu melhor amigo, e deixando de reconhecer suas atitudes. Vou parar por aqui, porque daqui a pouco vou contar todo o filme nessa resenha ;p Mas não se preocupe, que mesmo lendo tudo que disse até agora você ainda vai se surpreender com o filme.

[Fim dos spoilers]

Apesar de ser uma comédia romântica com um enredo bem comum, a história surpreende já que as personagens femininas têm personalidades fortes, que não caem aos pés de Brooks. O que é bem adequado em 2019, né … O Date Perfeito é uma comédia romântica leve e fofinha, uma ótima pedida para domingos à tarde. E, apesar de um pouco clichê, faz a gente ficar “wooon” hihi