Opinião Sincera | Teste

746cf66f001393bda6fcb0f0f73c66e3.jpg
 

O Andarilho das Sombras é o primeiro livro solo e da série Tempos de Sangue, ambos do escritor paulistano Eduardo Kasse, que já organizou e editou diversas coleções de conto na Editora Draco. Com uma clara inspiração dos vampiros de Anne Rice, Kasse mistura aspectos de ficção histórica e terror com a clara paixão que seu autor tem pelos seus personagens e suas influências, seja desde as religiões pagãs do norte da Europa, seja pela História Medieval.

            O título não poderia ser mais fortuito. Harold Stonecross é um vampiro que vaga pela Inglaterra do século XI e XII sem algum rumo ou objetivo. São-nos constantemente descritos a solidão e o excesso de tempo vividos pelo personagem, sendo estes aspectos intrínsecos à imortalidade e a falta de segurança que este proporciona a si e a quem cruze o seu caminho. Harold, em certos momentos, apresenta-se como um ser entediado, com a imortalidade apenas servindo como a maldição e ele apenas aceitando seu calvário.

            Essa é apenas a introdução de uma das linhas do tempo em que nós somos colocados durante o livro. A obra é composta por três linhas em que temos o Harold vampiro, depois o Harold recém-vampiro apaixonado e, por fim, o Harold criança-adolescente com seu amadurecimento. Todas as linhas se cruzam ao final do livro, tendo o leitor a descoberta pela qual os vampiros existem e que sina o personagem principal carrega. O uso de linhas temporais pode confundir o leitor menos atento, já que são inexistentes as marcações temporais para auxiliar aqueles que ainda não tem costume com esse estilo. Entretanto, ao final, a conexão realizada e catarse gerada pelo autor fazem com que a confluência desses pontos aprofunde a personalidade do Harold.

            Como já citado, a inspiração do autor em vampiros sensuais (e sexuais) de Anne Rice é bastante presente na obra. Quase todos os capítulos são seguidos de fórmula “Harold vai caçar-Transa com vítima-Mata a vítima- Vai dormir”. É um aspecto que reforça a rotina e o tédio do personagem, destacando o tédio que o mesmo para a sentir nesses momentos. As cenas, inicialmente chocantes e provocativas, passam a ter o ar de uma atividade ordinária, como respirar e, nesse caso, comer (em seus mais amplos sentidos). Entretanto, para quem ler a série seguidamente, perceberá que a fórmula descrita acima e a repetição de verbos para descrever as ações sexuais transformam o possível deslumbramento inicial em algo cansativo no qual o leitor sabe onde vai começar e terminar.

            E, como se passa na Idade Média, não poderia faltar críticas à Igreja Católica, centro de autoridade do período. Tal qual as cenas de sexo, a representação da Igreja e de seus membros são repetitivas. Inicia-se com a clara crítica à corrupção eclesiástica, a hipocrisia dos padres e bispos, a sexualidade reprimida e o exercício do monopólio da fé (e poder) para interesses pessoais e escusos. Ao longo do livro e da série, essas cenas e capítulos terminam quase sempre com padres se masturbando ou morrendo gozando por algum vampiro, tornando uma crítica que começa, novamente, interessante e vira artifício para que a estória ganhe volume. 

            Apesar de citar esses pontos do livro e adiantar alguns aspectos que percorrem toda a série, Kasse é um escritor de muitas qualidades e soube muito bem como montar seu quebra-cabeça. Ele detém uma qualidade rara em escritores de usa a visceralidade de uma cena para carregar realismo e sofrimento, sem parecer nojento ou absurdo- o que torna a cena ainda mais aterrorizante ou agoniante. O livro conta com ótimos momentos de descrição de torturas medievais e métodos de “quebrar” o espírito que parecem apenas ficção. O que, assustadoramente, não são. Kasse fez uma vasta pesquisa histórica, sendo os locais citados reais e o cotidiano descrito por ele é bastante próximo daquilo que se especula ser da Idade Média Europeia. Esse aspecto vai desde detalhes simples de organização social, até questões essencialmente cotidianas, como a crença de que a água adoecia e por isso não se tomava muito banho ou o uso de vinho/cerveja para beber já que a água era bastante suja.

            Por fim, vale lembrar que um autor não é nada sem seus fãs e Kasse sabe muito bem como trata-los. Não é um aspecto em si de uma resenha literária, mas é importante destacar o carinho dele por aqueles que opinam sobre suas obras e como tem prazer em explicar, nas feiras ou encontros, todos os aspectos que o levaram a fazer a obra. A paixão do criador por sua obra é contagiante e é bastante perceptível ao leitor. O livro, como apontado, tem alguns deslizes. Entretanto, é uma excelente ficção sobre história e terror- com uma pitada de contos eróticos da revista Brazil- que vale a pena ser lido e traz orgulho ao mercado editorial brasileiro.

 
Augusto Machado